© Ana Marçalo

Notícias

Destaques
Parasitas Halocercus (trato respiratório)

Zoonoses

Zoonoses são doenças dos animais, transmissíveis ao Homem.

Estas podem ser causadas por diversos

Agente Santos (Baleia-anã adulta).jpg

Arrojamento de baleia-anã adulta

No passado dia 2 de julho recebemos vários alertas por parte de empresas de atividade marítimo

Características do recém-nascido.jpg

Golfinho recém-nascido na Praia de Faro

Na passada segunda-feira, dia 4 de julho, a equipa da RAAlg deu resposta ao arrojamento de uma cria

Outras notícias

08/09/2022

Zoonoses

Zoonoses são doenças dos animais, transmissíveis ao Homem.

Estas podem ser causadas por diversos microrganismos tais como vírus, bactérias, parasitas e fungos, os quais provocam diferentes doenças e de gravidade variável, tanto nos animais como nos humanos.

As fotos acima mostram a elevada carga parasitária presente no trato respiratório de um golfinho-roaz (Tursiops truncatus) arrojado na Ilha da Culatra, no passado dia 26 de agosto.

Estas larvas de parasita pertencem ao género Halocercus, um dos géneros atualmente reconhecidos, associados a uma carga infeciosa elevada de Brucella spp., sendo comummente encontrados em várias espécies de cetáceos.

O contacto com o Homem e outros animais pode provocar uma disseminação alargada da patologia, uma vez que esta doença se trata de uma zoonose.

Agradecemos, mais uma vez, à Autoridade Marítima Nacional, nomeadamente ao Piquete da Polícia Marítima de Olhão, pela fundamental ajuda na remoção e transporte do animal para laboratório, o que nos permitiu maximizar a eficácia da sua necrópsia e amostragem.

 

Parasitas Trato respiratório de roaz

TT-595-2022

Parasitas Halocercus (trato respiratório)
21/07/2022

Arrojamento de baleia-anã adulta

No passado dia 2 de julho recebemos vários alertas por parte de empresas de atividade marítimo-turística, para a presença de uma baleia-anã adulta, morta, à deriva, a algumas milhas da costa, ao largo de Armação de Pêra. Apesar dos esforços no sentido de rebocar o animal para o porto de pesca mais próximo, conscientes dos perigos que um animal de tal porte pode causar na navegação, o animal acabou por arrojar na Praia Grande de Pêra, concelho de Silves, no dia seguinte. Embora o animal já se encontrasse em avançada decomposição aquando da realização da necrópsia, o que acarreta uma dificuldade acrescida na análise e avaliação da causa de morte, concluiu-se que a morte foi de origem traumática indeterminada.

A baleia-anã (Balaenoptera acutorostrata) é o rorqual de menor porte pertencente à subordem taxonómica Mysticeti (cetáceos com barbas), podendo atingir os 10 metros de comprimento. Apresenta um corpo alongado e uma cabeça pontiaguda. A sua coloração varia entre cinzento-escura na região dorsal e branca no ventre e flancos. A barbatana dorsal é proeminente, mas de pequena dimensão proporcionalmente ao corpo e as barbatanas peitorais apresentam uma mancha branca, característica da espécie. A sua alimentação é variada, podendo incluir pequenos crustáceos, cefalópodes e peixes de cardume. Geralmente são animais solitários, podendo aglomerar-se em alturas de migração e reprodução. Distribuem-se por ambos os hemisférios, podendo ocorrer tanto em águas oceânicas como costeiras.

Os avistamentos desta espécie nas proximidades da costa continental portuguesa são bastante frequentes e durante todo o ano, o que leva a crer que alguns núcleos sejam residentes. É a espécie de baleia de barbas mais abundante na nossa costa e, consequentemente, a que mais arrojamentos tem registado ao longo dos anos, principalmente no que respeita a indivíduos juvenis.

Para o Algarve, a distribuição temporal dos arrojamentos desta espécie ao longo dos últimos 12 anos apresenta-se heterogénea, oscilando entre anos com poucos registos (e.g. 2012, 2013, 2019 e 2021) com anos com mais ocorrências (e.g. 2010 e 2020). No presente ano, os registos sugerem valores aproximados ao período entre 2014-2018, tendo sido este o período onde ocorreu alguma estabilização das ocorrências. Em termos de distribuição sazonal apresenta um pico de arrojamentos no segundo trimestre do ano, particularmente no mês de maio, o que sugere que a costa algarvia possa ser um corredor migratório e zona de alimentação importante para a espécie, nessa altura do ano. A captura acidental em artes de pesca é considerada a principal causa de morte para esta espécie.

Baleia anã adulta

Padrão arrojamentos baleia-anã

 

Agente Santos (Baleia-anã adulta).jpg
20/07/2022

Golfinho recém-nascido na Praia de Faro

Na passada segunda-feira, dia 4 de julho, a equipa da RAAlg deu resposta ao arrojamento de uma cria golfinho-comum (Delphinus delphis), na Praia de Faro.

Tratava-se de um macho com aproximadamente 1 metro de comprimento total, o qual apresentava várias características que apontavam para um nascimento bastante recente, tais como:

Pregas fetais - Traços mais claros visíveis ao longo do corpo (do dorso para o ventre), resultantes da posição do feto no útero materno.

Vestígios de cordão umbilical - O cordão umbilical dos golfinhos rompe-se aquando da expulsão, durante o parto.

Pelos no bico - Estes pelos apresentam função estritamente sensorial nos primeiros dias de vida, após os quais acabam por cair.

A necrópsia foi realizada no laboratório da RAAlg, apenas algumas horas após o registo da ocorrência. A existência de espuma abundante na traqueia e brônquios revelou uma morte traumática causada por asfixia por imersão.

Dobras fetais

 

Golfinho recém-nascido

Características do recém-nascido.jpg